Sua conscientização política

"Seria uma época de guerras cruéis em que novos césares surgiriam e em que uma elite de homens de aço, que não buscavam ganhos pessoais e felicidade, mas o cumprimento dos deveres para com a comunidade, tomaria o lugar dos democratas e dos humanitários" Hajo Holborn, explicando uma previsão de Oswald Spengler em A History of Modern Germany: 1840-1945; Princeton University Press, 1982. Página 658

domingo, 31 de março de 2013

Fraudulentas citações nazistas - por Mark Weber

Institute for Historical Review
Mark Weber

Fraudulentas citações nazistas

Por Mark Weber

Citações fraudulentas atribuídas a Hitler e outros líderes do Terceiro Reich tem sido vastamente circuladas por anos. Tais citações são frequentemente utilizadas pelos polemistas – ambos da esquerda e da direita – para desacreditar seus adversários ideológicos mostrando que os nazis mantinham similares opiniões. Esta tática funciona porquê as pessoas tem sido educadas para acreditar que tudo que Hitler e os outros nazis pensavam ou diziam eram coisas malevolentes, equivocadas ou malignas, e que nenhuma pessoa razoável ou ética poderia sustentar similares pontos de vista.

Aqui está uma olhada em umas poucas das muitas citações falsamente atribuídas à Hitler ou a outros top nazis.


Goebbels: 'A verdade é o Inimigo do Estado'

O chefe de propaganda de Hitler, Joseph Goebbels, supostamente disse:

  • “Se você contar uma mentira suficientemente grande e mantém-se repetindo ela, as pessoas irão eventualmente vir a acreditar. A mentira pode ser mantida por determinado período conforme o Estado possa proteger o povo das consequências políticas, econômicas e/ou militares da mentira. Ela deste modo torna-se vitalmente importante para o Estado para utilizar todo seu poder para reprimir a dissidência, porquê a verdade é a mortal inimiga da mentira, e assim, por extensão, a verdade é a maior inimiga do Estado.”

Rush Limbaugh, o popular comentador de rádio americano, é apenas um dos muitos americanos influentes que tem citado esta citação. Durante uma transmissão de rádio em maio de 2007 ele afirmou que estas colocações são “da sala de guerra de Hitler, o nazi spinmeister1 no comando, Joseph Goebbels,” que estava “falando por seus companheiros no partido nazista.” Limbaugh passou a afirmar que os líderes do “Partido Democrata” americano estavam utilizando “uma versão” da técnica de Goebbels para tentar “reprimir a dissidência”. E em janeiro de 2011 o congressista americano Steve Cohen, um político do partido democrata do Tennessee, acusou republicanos de propagar “uma grande mentira, assim como Goebbels” sobre um plano nacional de saúde.

De fato, as visões de Goebbels foram bastante diferentes do que esta fraudulenta citação sugere. Ele regularmente sustentou que a propaganda deve ser precisa e verdadeira.

Num discurso proferido em setembro de 1934 em Nuremberg, ele disse: “A boa propaganda não necessita mentir, na verdade, ela não pode mentir. Não há nenhuma razão para temer a verdade. É um erro acreditar que as pessoas não podem pegar a acessar a verdade. Elas podem. É somente uma questão de apresentar a verdade para as pessoas numa maneira a qual elas sejam capazes de compreender. Uma propaganda que mente prova que ela tem uma causa ruim. Ela não pode ser bem sucedida em longo prazo.2

Num artigo escrito em 1941, ele citou exemplo das falsas afirmações britânicas em tempos de guerra, e passou a acusar que os propagandistas britânicos tinham adotado a técnica da “grande mentira” que Hitler tinha identificado e condenado em seu livro Minha Luta. Goebbels escreveu: “O inglês segue o princípio que quando alguém mente, a mentira deve ser grande, e cumpre-a. Eles sustentam as mentiras deles, mesmo sob o risco de parecer ridículo.3


Hitler e o controle de armas

Em um discurso, algumas vezes dito ter sido proferido em 1935, Hitler supostamente tinha exclamado: “Este ano vai entrar para a história! Pela primeira vez, uma nação civilizada tem completo registro de armas! Nossas ruas estarão mais seguras, nossa polícia mais eficiente, e o mundo irá seguir nossa liderança rumo ao futuro!”

Esta citação tem sido popular com os americanos que defendem o direito constitucional para “possuir e portar armas.” Ela é citada para desacreditar aqueles que apoiam restrições na posse e uso de armas de fogo. Ela é citada também para apoiar a frequentemente feita acusação que Hitler e seu governo reduziram a posse de armas na Alemanha, e confiscaram as armas possuídas por cidadãos particulares.

A verdade é bem diferente. Quando Hitler e seu Partido Nacional-Socialista assumiram o poder no início de 1933, eles herdaram uma restritiva lei de armas de fogo que o governo liberal-democrata de “Weimar4” tinha implementado cinco anos antes. Em 1938 o governo de Hitler revisou esta lei anterior, soltando estas restrições, desse modo aumentando os direitos dos alemães para possuírem armas. O mais completo confisco de armas de fogo imposto sobre os alemães foi realizado no fim da Segunda Guerra Mundial pelas forças de ocupação dos Estados Unidos e outros vitoriosos poderes aliados.


Hitler sobre 'Lei e Ordem'

Hitler é suposto ter dito durante um discurso em 1932, pouco antes dele se tornar chanceler:

  • “As ruas de nossas cidades estão em turbulência. As universidades estão cheias de estudantes se rebelando e tumultuando. Os comunistas estão procurando destruir nosso país. A Rússia está ameaçando-nos com seu poder e a República está em perigo. Sim, perigo interior e exterior. Nós necessitamos lei e ordem! Sim, sem lei e ordem nossa nação não pode sobreviver... Eleja-nos e nós iremos restaurar a lei e a ordem. Nós iremos, por lei e ordem, ser respeitados entre as nações do mundo. Sem lei e ordem nossa República irá fracassar.”

Esta citação, a qual se destina a embaraçar e desacreditar aqueles que apoiam a “lei e ordem”, foi especialmente popular com os jovens americanos durante os final dos anos da década de 1960 e início da década de 1970. Ela apareceu em posters e em 1971 no filme “Billy Jack.”

Em seus muitos discursos da campanha de eleição em 1932 Hitler destacou os temas da justiça, liberdade, empregos e unidade nacional – não “lei e ordem”. As universidades alemães em 1932 não estavam “cheias de estudantes se rebelando e tumultuando.” De fato, os estudantes alemães estavam entre os mais ferventes apoiadores de Hitler e de seu Movimento Nacional Socialista.


Goering sobre a cultura 

Hermann Goering, um alto oficial do Terceiro Reich, é frequentemente citado como tendo dito: “Sempre que eu ouço a palavra cultura, eu pego meu revolver.” O Reichsmarschall Goering (Göring), que foi comandante da força aérea alemã, nunca teria dito algo como isto. Junto com outros líderes do alto escalão do Terceiro Reich, ele estimou as artes, e se orgulhava ele mesmo de sua apreciação da cultura.

Esta citação é uma distorção de um verso de um personagem no filme Schlageter do escritor alemão Hanns Johst. O verso original (traduzido) é “Quando eu ouço [a palavra] cultura... eu libero a trava de segurança da minha browning5!” Uma versão desta citação é apresentada em uma cena no filme de propaganda do período de guerra, “Why We Fight”, feito pelo governo dos EUA, para sugerir que o típico “nazi” era um bandido sem cultura.


Hitler e a consciência

“Eu estou liberando o homem da degradante quimera conhecida como consciência,” é suposto ter sido dito por Hitler. Esta vastamente repetida citação aparece, por exemplo, em The Great Quotations, uma coleção supostamente fidedigna compilada pelo jornalista judeu-americano e autor Geoge Seldes. É uma versão de um comentário atribuído à Hitler por Hermann Rauschining em seu livro, The Voice of Destruction (Conversações com Hitler), o qual é uma fonte de muitas citações fraudulentas supostamente baseadas em conversas privadas com Hitler que, na verdade, nunca ocorreram.

O texto “original” desta citação, conforme apresentado por Rauschining, é: “A Providência tem ordenado que eu deva ser o maior libertador da humanidade. Eu estou libertando o homem das amarras de uma inteligência que tem sido carregada; da sujeira e degradante auto-mortificações de uma quimera chamada consciência e moralidade, e das exigências de uma liberdade e independência pessoa a qual somente muitos poucos podem suportar.”

Na verdade, Hitler repetidamente enfatizou a importância de atuar conscientemente. Por exemplo, em pelo menos três diferentes discursos ou afirmações públicas em 1941 somente, ele falou sobre atuar de acordo com sua consciência. Rudolf Hess, um amigo próximo e colega de confiança, uma vez disse que sua devoção para Hitler era baseada em grande medida em sua relação para a resoluta consciência de Hitler. Em um discurso de 1934 Hess disse: “A consciência de uma personalidade moral é de longe uma maior proteção contra o uso indevido de um cargo do que a supervisão de um parlamento ou a separação dos poderes. Eu não conheço ninguém que tenha uma consciência mais forte, ou mais verdadeira para seu povo, que Adolf Hitler... O mais alto tribunal do Führer é sua consciência e sua responsabilidade para com seu povo e para com a história.”


Hitler: 'Destruir por todos os meios'

O filme de propaganda do governo dos EUA, “Why We Fight,” cita Hitler como tendo dito: “Meu lema é 'Destrua tudo por todos os meios. O Nacional Socialismo irá reformular o mundo'.”Esta é uma versão de um comentário atribuído à Hitler por Hermann Rauschining em seu influente livro. O texto “original”, conforme apresentado por Rauschining, é: “Eu quero guerra. Para mim todos os meios estarão certo... Meu lema não é 'não faça, seja o que for, que irrite o inimigo!' Meu lema é 'Destrua ele por todos os meios.' Eu sou o que vai fazer a guerra!” Outra versão deste inventado comentário aparece no livro Hitler and Nazism (1961), pelo historiador Louis Leo Snyder, que foi um professor no City College de Nova Iorque.

Hitler sobre o Terrorismo

Hitler tem frequentemente sido citado como tendo dito: “Terrorismo é a melhor arma política, pois nada vence mais as pessoas duras que o medo da morte súbita.” Esta citação é baseada em dois comentários inventados no extravagante livro de Hermann Rauschining, The Voice of Destruction.


Hitler: 'Nós somos bárbaros'

Hitler tem frequentemente sido citado como tendo dito: “Eles referem-se a mim como um bárbaro sem educação. Sim, nós somos bárbaros. Nós queremos ser bárbaros, isso é um honrado título para nós. Nós iremos rejuvenescer o mundo. Este mundo está perto de seu fim.”

Esta é outra citação fraudulenta do fantasioso trabalho de Hermann Rauschining.


Hitler e a 'Juventude Brutal'

“Uma juventude violentamente ativa, dominante, intrépida e brutal – isto é o que estou buscando... Eu quero ver nos olhos deles o brilho do orgulho e independência, de rapina. Não haverá nenhum treinamento intelectual. Conhecimento é a ruina dos meus jovens homens.” Esta colocação vastamente citada é incluída, por exemplo, no 'The Great Quotations' de George Seldes. A fonte citada por Seldes é um item no The Nation do popular jornalista americano e autor John Gunther (1901 – 1970).

Na verdade, esta é uma versão de uma afirmação atribuída à Hitler por Hermann Rauschining, cujo imaginativo trabalho é uma fonte de muitas “citações” falsificadas. Outra fraudulenta citação de Hitler com esse mesmo espírito e da mesma fonte, igualmente citada pelo supostamente fidedigno Seldes, é esta: “A educação Universal é o veneno mais corrosivo e desintegrador que o liberalismo jamais inventou para sua própria destruição.”

Estes comentários deturpam os reais pontos de vista de Hitler. De fato, a Alemanha Nacional Socialista era mundialmente líder em ciência, tecnologia, ensino e medicina. Hitler era admirado por alguns dos principais intelectuais da época, incluindo Knut Hamsun6, Ezra Pound7, Louis-Ferdinand Celine8 e Martin Heidegger9.


Tradução por Tannhauser


Notas:

1 Nota do tradutor: Spinmeister é um termo do idioma inglês utilizado para a pessoa que tenta evitar a publicidade negativa divulgando uma interpretação favorável das palavras ou ação de uma empresa ou partido político.


2 Nota do tradutor: Wilfred von Oven (1912 – 2008) que foi secretário pessoal de Joseph Goebbels explicou ao correspondente do jornal Estado de São Paulo que Goebbels dizia: “a propaganda é a forma de apresentar a verdade de forma que sirva aos fins políticos. Não deve ser tão rígida. Não se deve mentir, mas expressá-la de uma forma que entre na mente das pessoas. A verdade é algo que deve ser tratado com muito cuidado e conhecimento dos fins. As grandes mentiras acabam aparecendo como mentiras”. Estado de São Paulo, 10 de novembro de 1997, página A 15.


3 Nota do tradutor: De fato, a questão dos ingleses mentirem adquiriu uma expressão que os demais europeus utilizavam, ao se referir a diplomacia de Londres, como a pérfida albion. Desde a volta dos judeus à Inglaterra no século XVII – após terem sido eles expulsos alguns séculos antes – e o surgimento das empresas de navegações financiadas por acionistas situados em Londres numa região denominada de City a diplomacia inglesa gradativamente foi adquirindo má reputação. A City adquiriu poder através de financistas, em sua maioria judeus, a ponto de se tornar uma região independente da Inglaterra mesmo situando-se dentro de Londres (assim como o Vaticano é uma região independente situada dentro da Itália) , fato quase que totalmente desconhecido do grande público. Assim, os ingleses, adquiriam má fama de mentirosos, em grande parte, como consequência da agenda judaica da City.

No Brasil a influência judaica na Inglaterra foi tratada com qualificadas referências no livro A GRÃ BRETANHA a serviço dos JUDEUS, de Arci Tenorio D'Albuquerque, de 1941 publicado pela Gráfica Labor.


4 Nota do tradutor: Refere-se ao período de governo da Alemanha denominado República de Weimar, o qual foi implementado após a Primeira Guerra Mundial, a partir de fevereiro de 1919. Este período foi caracterizado principalmente pela decadência cultural e econômica, fraqueza política, corrupção e miséria na Alemanha. 
 
O comunismo que assumiu o poder na Rússia, em 1917, através do Partido Bolchevique, este dirigido por uma dominante maioria de judeus, encontrou na República de Weimar uma oportunidade para dar continuidade a suas tentativas de conquistar também a Alemanha, como foi o caso da subversão judaico-bolchevique que resultou na breve República Soviética da Bavária em 1918.


5 Nota do tradutor: Refere-se a um tipo de revolver da marca Browinng.


6 Nota do tradutor: Knud Hamsun (1859 – 1952) Foi um escritor, estudioso da vida campestre e nacionalista norueguês, vencedor do Prêmio Nobel de Literatura de 1920, que, por entre outras contestações, a de questionar o avanço judaico rumo a supremacia mundial, foi desqualificado e relegado ao esquecimento, não sem antes ele e sua esposa sofrerem maus tratos durante o período pós II Guerra Mundial no processo denominado pelos aliados como desnazificação.
 
Knud Hamsun sustentou que as diferenças inerentes das raças deveriam ser adequadamente consideradas como um fator fundamental na preservação e evolução cultural da humanidade. 


7 Nota do tradutor: Ezra Pound (1885 – 1972) foi um poeta e ativista político americano, questionador da supremacia judaica, do sistema de usura e da qualidade de governo do sistema democrático. Apoiou as forças do Eixo na II Guerra Mundial, o que após o fim da guerra resultou em sua prisão-internação nos EUA. Enquanto que se afirma que o diagnóstico de inválido mentalmente tenha livrado Ezra Pound de cumprir longa pena na prisão, o fato é que isso foi mais explorado para desqualificar seus escritos contestadores.

Todavia, antes de chegar aos EUA, foi mantido como prisioneiro de guerra na Itália ocupada pelos aliados, em uma jaula, sob o sol e a chuva, e sob fortes refletores que impediam o sono durante a noite, após três semanas sob este tipo de tratamento teve ser ser levado aos cuidados médicos e, depois, já nos EUA, foi internado num centro psiquiátrico, numa ala conhecida como Hell Hole, antes de ser transferido para a ala na qual ficaria internado de 1946 até 1958, quando foi liberado. 
 
Quando Ezra Pound chegou em Nápoles, Itália, em 1958, foi fotografado fazendo a saudação fascista pela imprensa local, a qual perguntou se ele tinha sido liberado de um hospital para doentes mentais, e Pound respondeu:

Nunca estive. Quando deixei o hospital eu estava ainda na América, e toda a América é um asilo insano.



8 Nota do tradutor: Nascido como Louis-Ferdinand-Auguste Destouches (1894 – 1961) foi um escritor e médico francês, que, por entre outras contestações, a de questionar o avanço judaico rumo a supremacia mundial, foi também desqualificado e relegado ao esquecimento.


9 Nota do tradutor: Martin Heidegger (1889 – 1976) foi um importante pensador alemão do século XX, que apesar de te escrito uma obra de grande influência, Ser e Tempo, o fato de ter estado vinculado ao partido nazista (o NSDAP) foi utilizado para desqualificá-lo em muitas correntes de opinião.



Referências para futuras leituras:


Randall Bytwerk, "False Nazi Quotations" (http://bytwerk.com/gpa/falsenaziquotations.htm)

Paul F. Boller, Jr. and John George, They Never Said It: A Book of Fake Quotes, Misquotes, & Misleading Attributions (New York: Oxford, 1989).

Joseph Goebbels, "From Churchill's Factory of Lies," ("Aus Churchills Lügenfabrik"), January 1941. Reprinted in Zeit ohne Beispiel (http://www.calvin.edu/academic/cas/gpa/goeb29.htm) (1941)

Joseph Goebbels, "Propaganda" (Nuremberg: 1934)
(http://www.calvin.edu/academic/cas/gpa/goeb59.htm)

William L. Pierce, Gun Control in Germany 1928-1945 (1994)

John Toland, Adolf Hitler (1976)

Mark Weber, "Goebbels and World War II Propaganda," 2011
(http://www.ihr.org/other/goebbels2011weber.html)

Mark Weber, "Goebbels' Place in History," The Journal of Historical Review, 1995.
(http://www.ihr.org/jhr/v15/v15n1p18_Weber.html)
 Versão em português

Mark Weber, "Hitler as 'Enlightenment Intellectual': The Enduring Allure of Hitlerism," 1997
(http://www.ihr.org/jhr/v16/v16n5p34_Weber.html)

Mark Weber, "Rauschning's Phony 'Conversations With Hitler': An Update," 1985
(http://www.ihr.org/jhr/v06/v06p499_Weber.html)
Versão em português


Sobre o autor:

Mark Weber é um historiador americano, escritor, palestrante e analista de questões atuais. Ele estudou história na Universidade de Illinois (Chicago), na Universidade de Munique (Alemanha), e na Portland State University. Ele possui um mestrado em História Europeia da Universidade de Indiana. Desde 1995 ele tem sido diretor do Institute for Historical Review, um centro independente de publicações, educação e pesquisas de interesse público, no sul da Califórnia, que trabalha para promover a paz, compreensão e justiça através de uma maior consciência pública para com o passado.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

ATENÇÃO QUANTO AO CRITÉRIO DE PUBLICAÇÃO DAS POSTAGENS:

POSTAGENS FORA DO TEMA DO RESPECTIVO ARTIGO NÃO SÃO PUBLICADAS.

POSTAGENS COM INSULTOS POSSIVELMENTE NÃO SERÃO PUBLICADAS.

Deve-se procurar dar seguimento e aprofundamento ao assunto, portanto, postagens cuja argumentação já foi colocada não serão publicadas.